Pão de
Sto. António

Formas de ajudar!

Precisamos de si! Ajude-nos a manter a igreja e a auxiliar os mais pobres.
Contamos consigo e rezamos por si!
Em pessoa

Deixe a sua oferta no cofre para o Pão de Santo António.

Online

Faça um donativo por transferência para o
NIB: PT50 0018 0008 0440 5527 0207 1
e envie-nos o comprovativo por email.

A história do “Pão de Santo António”

A história do “Pão de Santo António” remonta a um facto curioso que nos é assim narrado: “António comovia-se tanto com a pobreza que, certa vez, distribuiu aos pobres todos os pão do convento em que viva. O frade padeiro ficou em apuros, quando, na hora da refeição, percebeu que os frades não tinham que comer: “os pães tinham sido roubados”.

Atónito, foi contar ao santo o ocorrido. Este mandou que verificasse melhor o lugar em que os tinha deixado. O irmão padeiro voltou estupefacto e alegre: os cestos transbordavam de pão, tantos que foram distribuídos aos frades e aos pobres que visitavam o convento.

A partir de acontecimentos como este, espalhou-se por todo o mundo, o costume de colocar nas igrejas uma caixa para esmolas do “Pão dos pobres”.

Ao longo dos séculos, aconteceram vários milagres por intercessão de Santo António, mas o que marcou mais profundamente, teve lugar em Toulon, narrado por Luísa Bouffier: certa manhã, 12 de Março de 1890, quando ia abrir a sua loja, a fechadura de segredo partiu e não conseguiu abrir a porta. Chamou um serralheiro que, depois de muitas tentativas, infrutíferas, resolveu ir buscar ferramenta para a arrombar. Entretanto, por inspiração divina, Luísa prometeu dar pão aos pobres se com a nova experiência conseguisse abrir a porta da sua loja. Voltou o serralheiro e à primeira tentativa, sem dificuldade alguma, logo a abriu, deixando todos em estupefação geral atribuindo tal feito a Santo António. A notícia espalhou-se por toda a França, Bélgica, Itália, Alemanha, até ao Brasil e outros continentes.

Reconhecida, Luísa Bouffier, colocou uma imagem do santo na sua loja e uma caixa onde recolhia esmolas para, com elas, comprar pão para os pobres. Também as igrejas começaram a fazer outro tanto, costume e devoção que se mantém até aos nossos dias.

“Pão de Santo António” na nossa igreja

Crê-se que esta devoção tem início, aqui na nossa Igreja, local onde o Santo nasceu, por volta de 1920 aquando da abertura da Igreja e vinda dos Franciscanos para cá.

Junto ao quadro milagroso do Santo, do lado esquerdo de quem entra, uma caixa das esmolas antiquíssima, com uma pintura de S. António, ali permanece recordando aos fiéis e peregrinos o dever de ajudar os irmãos mais desfavorecidos, podendo aí deixar o seu contributo para o Pão dos Pobres de Santo António.

No dia do santo, 13 de Junho, distribui-se aos fiéis por um preço simbólico, pequenos pães benzidos na Eucaristia, assim como os cravos, durante todo o dia como forma de ajudar e a prover as necessidades dos pobres que a nós recorrem.

Durante muitos anos distribuía-se, semanalmente, dois grandes pães aos quais se acrescentou, há alguns anos, a quantia de cinco euros para prover a outras necessidades.

Procurando responder mais fielmente ao espírito de S. Francisco e S. António, e para ajudar os mais pobres, neste tempo de crise económica, passamos a entregar os Pães duas vezes por semana, em vez de uma, juntamente com alguns géneros alimentícios e o que a generosidade dos nossos benfeitores o permite.

Na realidade, como acentua António de Sousa Araújo: “Pobres sempre os teremos. E de pão e da ajuda do Santo, todos nós continuaremos carecidos. Ninguém é mais feliz do que aquele que socorre a necessidade do pobre e a miséria do enfermo e do desamparado.”